Poemas da Si

Ser imperfeita

Estado incompleto, defeito, algo de mais, algo de menos, falta de algo…

Quem eu sou, ou o que eu sou?

Um ser cheio de falhas que desce do salto quando só você esta olhando, que deixa aflorar a menina carente e sensível, que aumenta o tom de voz quando se sente desafiada.

As vezes quero escutar a minha voz e por isso grito, imponho opiniões criadas pelas minhas verdades…não não é maldade, é apenas a maneira que eu achei para me proteger das críticas que mesmo construtivas me diminuem, sinceridades que machucam e colocam pra baixo a autoestima.

A falta de experiência pesa e a sobrecarga precisa ter nome, acho um culpado, as vezes dois para as minhas frustrações. É difícil aceitar o erro e sendo assim me escondo nas minhas próprias sombras, mas você é o único que me vê por inteira, cheia de falhas e imperfeita.

Acordo de cara lavada e assim permaneço, me calo, viajo pelos meus pensamentos, me encontro no passado, me deixo sorrir e ao som da tua voz volto para o presente, e mesmo contente me revelo, choro porque sinto dor, dor de saudade, choro pela falta, falta da maturidade.

A transparência do meu corpo despe a minha alma e só você pode ver o meu eu verdadeiro, sem máscara, sem maquiagem, sem montagem, na essência da minha construção.

O medo me desafia e me recuso a perdoar, mais uma vez a imperfeição, é o limite que me coloco para não me prender a ninguém.

A liberdade me soa como segurança, é a maneira que encontrei para não precisar me explicar. Falhas de um ser imperfeito e que na busca da perfeição se perde na desilusão.

Simone Sampaio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *